Tesouro Selic

T

O que é Tesouro Selic

O Tesouro Selic é um título de renda fixa emitido pelo Tesouro Nacional e que possui seu rendimento atrelado à taxa Selic, a taxa básica de juros da economia.

Ao investir no Tesouro Selic, você empresta dinheiro ao governo através do Tesouro Nacional e recebe uma remuneração em forma de juros por isso.

Em geral, o Tesouro Selic é uma boa opção para investidores conservadores que buscam baixo risco e praticidade. Além disso, também costuma ser utilizado na criação de reservas de emergência, graças à sua alta liquidez.

Por conta da sua relação com a taxa Selic estabelecida pelo Banco Central, os rendimentos deste investimento variam de acordo com os momentos econômicos do país. Sendo assim, em períodos de baixa da Selic, ele acaba sofrendo uma desvalorização.

É importante destacar que, ainda que não seja protegido pelo FGC (Fundo Garantidor de Crédito), o Tesouro Selic está entre os ativos mais seguros do país. Isso porque seu emissor, o Tesouro Nacional, representa as contas públicas nacionais, que oferecem um risco de calote praticamente nulo ao investidor.

Como funciona o Tesouro Selic?

Antes de optar por qualquer investimento, é importante entender quais são suas características para definir se ele está alinhado com seus objetivos financeiros ou não.

O Tesouro Selic, nosso objeto de estudo neste artigo, é um ativo simples emitido pela instituição mais segura do país, que é o próprio Governo Federal. Além disso, possui um rendimento razoável e bastante próximo a 100% do CDI.

Outra característica importante é que o Tesouro Selic é conhecido por ser um ativo com alta liquidez. Isso significa que, em casos de emergência financeira ou interesse na retirada do dinheiro aplicado, é possível retirar a quantia a qualquer momento.

Por conta disso, o Tesouro Selic costuma ser utilizado para a criação de reservas financeiras, que garantem a saúde e segurança monetária do investidor em situações inesperadas.

Liquidez do Tesouro Selic

A liquidez do Tesouro Selic é conhecida por ser extremamente alta, sendo de D+1. Para o investidor, isso significa que o Banco Central compra qualquer título antes do vencimento e oferece os valores do resgate em apenas um dia útil.

Ou seja, é possível vender em uma dia e receber o valor da aplicação junto aos juros acumulados no próximo dia útil.

Por conta disso, essa é uma ótima opção de investimento para pessoas que estão começando a investir ou não possuem muita renda disponível.

Tesouro Selic (LFT) ou Tesouro IPCA (NTN-B)?

É comum que haja uma certa confusão quando investidores se deparam com os diversos tipos de “Tesouros” emitidos pelo Tesouro Nacional. Quando se fala em Tesouro IPCA+ e Tesouro Selic, temos dois investimentos voltados para objetivos financeiros distintos.

O Tesouro IPCA+ é um ativo de renda fixa híbrido (já que possui uma parcela prefixada e outra pós fixada), utilizado para investimentos de longo prazo e com rentabilidade afetada em caso de saque antes do prazo de validade.

Já o Tesouro Selic é uma opção mais estável, sendo um título pós-fixado que permite ao investidor resgatar sua aplicação em qualquer momento sem grandes perdas.

Outra diferença relevante entre esses dois ativos é o nível de rentabilidade oferecida, que tende a ser maior no Tesouro IPCA+. A rentabilidade do Tesouro Selic só fica mais atrativa que a do NTN-B em casos de alta ou tendência de alta na taxa Selic.

Como é calculada a SELIC?

A taxa Selic é o principal instrumento de política monetária do Banco Central do Brasil, sendo ela utilizada para controlar a inflação do país.

Quando a taxa básica de juros (Selic) sobe, os juros cobrados nos financiamentos, empréstimos e cartões de créditos também ficam mais altos. Nesse caso, o mercado é desestimulado a consumir, reduzindo a inflação.

Por outro lado, quando a Selic está em baixa, o objetivo do governo é aquecer a economia, estimulando negociações entre os consumidores.

Desde 1996, a taxa é revista a cada 45 dias pelo Comitê de Política Monetária do Bacen (COPOM). O cálculo considera fatores como:

  • Inflação;
  • Taxa de Câmbio;
  • Importações e Exportações;
  • Atividade nacional;
  • Perspectivas de crescimento econômico.

Qual a Rentabilidade do Tesouro Selic

A rentabilidade do Tesouro Direto Selic, como dito anteriormente, está atrelada à taxa Selic. Por conta disso, esse título de renda fixa se caracteriza como pós-fixado, o que significa que o investidor só consegue saber o retorno do seu investimento posteriormente.

Isso se dá pelo fato de o Tesouro Selic ter sua rentabilidade calculada diariamente, com base no equivalente a 1/252 da taxa Selic vigente. Ou seja, um investidor pode até saber qual o percentual da taxa hoje, mas possui apenas uma perspectiva sobre o seu valor futuro.

Apesar disso, ele não se torna um título arriscado para os investidores, já que está sempre se valorizando, sendo o ativo mais conservador do país.

Como investir em Tesouro Selic?

Para investir no Tesouro Selic, como em qualquer outro ativo do Tesouro Direto, é preciso ter conta aberta em alguma instituição financeira, seja ela um banco ou corretora de valores.

Depois disso, o próximo passo do investidor é ter bem definido o seu planejamento financeiro para que a alocação dos ativos seja a mais alinhada com seus objetivos. Basta escolher entre os ativos de renda fixa oferecidos o Tesouro Selic e transferir dinheiro para sua conta de investimento.

O último passo é realizar a operação de compra dos títulos e manter a constância nos seus aportes, beneficiando sua rentabilidade.

Quais são os custos do Tesouro Selic?

Os investimentos de renda fixa possuem alguns custos a eles relacionados, mesmo os emitidos pelo Tesouro Nacional.

O primeiro deles é o IOF (Imposto sobre Operações Financeiras), que é cobrado apenas para investidores que mantém suas aplicações por um período menor que 30 dias.

Quando esse prazo é ultrapassado, somente a tributação do IR (Imposto de Renda) é aplicada, seguindo uma tabela regressiva de juros:

  • Até 180 dias – Alíquota de 22,5% de IR;
  • De 181 dias a 365 dias – Alíquota de 20% de IR;
  • De 365 dias a 720 dias – Alíquota de 17,5% de IR;
  • Acima de 720 dias – Alíquota de 15% de IR.

Sendo assim, a tributação do Imposto de Renda também desfavorece aqueles que buscam o Tesouro Direto por um curto prazo.

Vale lembrar que, independente do período de aplicação, sua cobrança é apenas sobre o rendimento, deixando o valor da aplicação livre de incidência.

Além disso, a cobrança é feita no momento do resgate, o que não exige do investidor a declaração do Imposto de forma separada.

Taxas do Tesouro Selic

Além das tributações, o Tesouro Selic também sofre com a cobrança de duas taxas.

A primeira delas é a taxa de custódia, que é cobrada anualmente pela B3 pela guarda dos títulos, sendo de 0,3%.

Existem também a taxa de administração, que varia de acordo com cada corretora de valores, e é cobrada pelo intermédio na compra e venda dos títulos. Entretanto, ela tem sido cada vez mais dispensada pelas principais corretoras do país. Por isso, é um ponto negativo a ser considerado na escolha de uma corretora.

Vantagens do Tesouro Selic

Existem diversas vantagens do Tesouro Selic. Em primeiro lugar, é preciso destacar a rentabilidade acima da poupança, que costuma perder para a inflação do país.

Nesse sentido, o Tesouro Selic oferece uma boa rentabilidade para investidores conservadores ou moderados que estão construindo uma reserva de emergência. E enquanto isso, a poupança os faz perder poder de compra ao longo dos anos.

Outro ponto positivo do Tesouro Selic é o fato dele oferecer o menor risco do mercado. Isso ocorre pois ele é um título público, o que faz com que seus investidores sejam credores do próprio Governo.

Além disso, não há perdas caso o investidor precise resgatar o título antes do vencimento, após 30 dias de aplicação. O mesmo não ocorreria caso o Tesouro Selic fosse um título prefixado, cujo valor de mercado passa por oscilações até o prazo de vencimento.

Acessibilidade do Tesouro Selic

Uma característica diretamente responsável pela popularização do Tesouro Selic é a sua acessibilidade ao pequeno investidor.

Por ter uma quantia mínima de R$30,00, ele possibilita que grande parte dos brasileiros possam começar a investir e criar uma reserva financeira. Sendo esse um primeiro e importante passo para quem deseja se aventurar na renda fixa e se beneficiar com a ação dos juros compostos.

Levando em consideração que os custos do investimento no Tesouro Selic são baixos se comparados com outros produtos financeiros, essa é uma boa opção de ativo a ser considerada.

Desvantagens do Tesouro Selic

Apesar de ser repleto de vantagens, existem algumas desvantagens do Tesouro Selic.

Levando em consideração o conceito de risco e retorno, que remunera mais os investimentos mais arriscados, esse ativo acaba sendo afetado negativamente.

Devido à baixa volatilidade e alta segurança, o Tesouro Selic oferece uma rentabilidade menor que a de outras opções de ativos, já que o investidor praticamente não arrisca o seu patrimônio ao aplicar nele.

Isso acaba ficando ainda mais evidente em cenários com juros baixos, já que o Tesouro Selic é diretamente atrelado à taxa de juros.

Portanto, com a queda da Selic, esse título de renda fixa acaba se desvalorizando, enquanto o mercado é aquecido.

Um outro ponto a ser considerado é que o Tesouro Selic não protege diretamente o investidor dos efeitos da inflação. Apesar de estar sempre acima dos rendimentos da poupança, o papel que garante  estar obrigatoriamente acima da inflação é de outra modalidade do Tesouro: o Tesouro IPCA+.

Foi possível saber mais sobre o Tesouro Selic? Deixe suas dúvidas nos comentários.

Adicione Comentários