Tesouro IPCA

T

O que é Tesouro IPCA?

O Tesouro IPCA é um título oferecido pelo Tesouro Direto através do programa de títulos públicos de renda fixa do Tesouro Nacional.

Aplicando no Tesouro IPCA, o investidor consegue se proteger da inflação no longo prazo e preservar seu patrimônio.

Isso acontece, porque o rendimento deste ativo, como o nome já indica, é atrelado ao IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo), indicador que representa a elevação da média dos preços, ou seja, a inflação média do Brasil.

Portanto, ao investir em Tesouro IPCA, não é possível saber quanto você terá no vencimento. Mas caso ela seja mantida até o prazo final, sua valorização será baseada a partir do juro definido no momento da contratação, acrescido da variação total do IPCA no período.

Qual a diferença entre Tesouro Selic e Tesouro IPCA?

É comum que os investidores fiquem confusos ao se depararem com os diversos tipos de “Tesouros” emitidos pelo Tesouro Nacional. No entanto, quando se fala em Tesouro IPCA e Tesouro Selic, é possível perceber dois investimentos voltados para diferentes objetivos financeiros.

Isso porque cada um deles possui uma característica oposta em relação ao prazo de vencimento. O Tesouro IPCA costuma ser um ativo de renda fixa utilizado para investimentos de longo prazo, já que no curto prazo sua rentabilidade pode ser prejudicada pela sua volatilidade.

Já o Tesouro Selic é uma opção que costuma ter menos volatilidade, o que permite ao investidor resgatar sua aplicação em qualquer momento sem grandes perdas.

Outra diferença relevante entre esses dois ativos é o nível de rentabilidade oferecida, que tende a ser maior no Tesouro IPCA. No entanto, em casos onde a Selic está em alta, a rentabilidade do Tesouro a ela atrelada pode se tornar mais atrativa.

Como funciona o Tesouro IPCA?

O Tesouro IPCA é oferecido através de duas opções aos investidores, uma com e outra sem pagamento dos juros semestrais:

  • Tesouro IPCA com Juros Semestrais (NTN-B): indicado para quem deseja ser remunerado regularmente, pois paga os juros semestrais como antecipação do valor a ser recebido no vencimento;
  • Tesouro IPCA sem Juros Semestrais (NTN-B Principal): apenas remunera o investidor na data de vencimento, sendo recomendado para quem não deseja utilizar o valor aplicado no curto prazo.

Ao manter a aplicação até o vencimento do título, o investidor recebe o montante total aplicado de volta, somado ao juro prefixado e à variação do IPCA.

Caso o resgate seja feito antes do vencimento, representando uma venda antecipada, o investidor pode se arriscar a sofrer uma desvalorização do título.

Ainda assim, essa é uma opção aos investidores, já que o Tesouro IPCA+ tem liquidação diária e recompra pelo seu valor de mercado.

Em geral, o investimento mínimo neste título é de R$40,00. Existem papéis com vencimento em 2026, 2030, 2035, 2040 e até 2055 disponíveis.

Como é calculado o IPCA?

O IPCA, indicador que serve de referência ao Tesouro IPCA+, é calculado mês a mês, através de uma pesquisa de preços feita pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

O período de coleta das informações ocorre entre o primeiro e último dia de cada mês. O objetivo disso é identificar, por levantamento, os preços que estão sendo cobrados ao consumidor em pagamentos à vista.

Entre os produtos que o IPCA leva em consideração, estão:

  • Alimentos e bebidas;
  • Artigos de residência;
  • Comunicação;
  • Despesas pessoais;
  • Habitação;
  • Educação;
  • Saúde e cuidados pessoais;
  • Transportes;
  • Vestuário.

Cada um deles possui um peso diferente no cálculo final feito pelo IBGE e são divididos em 465 subitens.

Qual a Rentabilidade do Tesouro IPCA?

A rentabilidade do Tesouro IPCA+ é definida em uma soma entre um percentual de juros e a variação do IPCA no período de vencimento do título.

A remuneração e o desconto do Imposto de Renda no investimento ocorrem apenas no vencimento.

No entanto, quando o ativo escolhido é o Tesouro IPCA com Juros Semestrais, a rentabilidade final é afetada, já que existem retiradas financeiras ao longo do período total. Sendo assim, os juros e a variação da inflação incidem sobre um valor menor do que o total aplicado.

Custos do Tesouro IPCA

Investir no NTN-B, como em qualquer outra opção de investimento, tem seus custos.

O primeiro deles pode ser o IOF (Imposto sobre Operações Financeiras), que é cobrado quando há a retirada de um investimento em até 30 dias da data de aplicação. Para evitá-lo, basta esperar 30 dias até resgatar algum dinheiro aplicado em renda fixa.

Além dele, também há a cobrança de IR (Imposto de Renda), seguindo a tabela regressiva de renda fixa.

Nesse sentido, a alíquota varia entre 22,5% (menos de 180 dias) e 15% (mais de 720 dias), beneficiando aplicações com mais de dois anos de duração. Vale lembrar que o IR incide apenas sobre o rendimento, e não sobre a aplicação.

Um outro ponto relevante é entender as taxas relacionadas ao próprio Tesouro Direto, sendo a principal delas a taxa de custódia (0,3% ao ano), cobrada pela B3 sobre o valor total do investimento.

Como investir em Tesouro IPCA?

Para investir em Tesouro IPCA, é preciso escolher uma instituição financeira, sendo ela um banco ou uma corretora de valores de sua preferência.

Após isso, basta abrir uma conta, transferir o valor a ser investido e escolher, entre os ativos de renda fixa, o Tesouro IPCA+.

Nesse momento, o investidor deve se atentar aos prazos de vencimento, referenciados no nome da aplicação, como Tesouro IPCA+ 2024.

A compra e venda desses títulos pode ser feita entre 09:30 e 18:00hrs de qualquer dia, com a negociação executada no dia útil.

Quando investir em Tesouro IPCA+?

Algo não muito conhecido pelos investidores é que a rentabilidade do Tesouro IPCA+ pode oscilar de acordo com fatores macroeconômicos com a inflação, taxa Selic e até mesmo fatores políticos.

Em situações onde a cotação fica desvalorizada, muitos acabam vendendo o título e sofrendo com prejuízos financeiros. No entanto, a melhor opção é manter o ativo em mãos, já que não há prejuízo se ele chegar até seu prazo de validade – apenas uma remuneração menor do que a atual do mercado.

Para evitar dores de cabeça, o investidor precisa estar atendo às perspectivas financeiras antes de optar por esse tipo de investimento.

Em situações conturbadas, onde muitos investidores acabam se desfazendo de suas aplicações, a taxa de juros aumenta. Sendo assim, o IPCA acaba sendo valorizado no mercado, se tornando mais lucrativo para quem o adquirir no momento, mesmo que o cenário volte ao que era antes.

E quanto menor a taxa Selic, mais os títulos de longo prazo prefixados se valorizam, o que representa um bom momento de compra do Tesouro IPCA.

Tipos de Tesouro IPCA

Como dito anteriormente, existem dois tipos de Tesouro IPCA+ disponíveis aos investidores. Para entender melhor como cada um deles funciona, é importante definir suas características:

Tesouro IPCA+ (NTN-B Principal)

Funciona como um investimento comum em renda fixa, acumulando o rendimento dos juros e remunerando o investidor no final do seu prazo de validade.

Essa opção de investimento é bastante útil para quem deseja montar sua aposentadoria com a certeza de rendimento acima da inflação. Sendo assim, uma opção a ser analisada para o médio e longo prazo, em um cenário onde a taxa Selic tem tendência de baixa.

No entanto, em situações onde a Selic tem tendência a subir, é mais recomendado investir no Tesouro Selic ou Tesouro Prefixado.

Tesouro IPCA+ Juros Semestrais (NTN-B)

Tem como característica o pagamento de juros antecipados, no período de 6 em 6 meses.

Nesse caso, ao invés de receber sua rentabilidade total na data de vencimento do ativo, o investidor tem ela adiantada. Assim, conseguindo utilizar o rendimento de sua aplicação ao longo do período de aplicação.

Essa opção do Tesouro IPCA+ pode ser vantajosa para quem deseja uma renda extra ao longo dos anos que seja corrigida pela inflação mais uma taxa prefixada.

Além disso, alguns investidores também utilizam os rendimentos semestrais do NTN-B para aplicar em outros ativos.

Caso o objetivo seja de longo prazo, o mais recomendado para o investidor é deixar o seu montante aplicado no NTN-B Principal. Dessa forma, o valor resgatado no final do prazo será muito maior pela ação dos juros compostos e incidência única do Imposto de Renda.

Vantagens do Tesouro IPCA

Algumas das vantagens do Tesouro IPCA+ estão relacionadas à sua rentabilidade, que garante rendimentos acima da inflação ao investidor. Em períodos de crise financeira, essa característica se torna ainda mais atrativa, já que a inflação tende a aumentar consideravelmente.

Outro ponto positivo do NTN-B é a sua segurança, já que essa é uma opção atrelada ao Tesouro Nacional. Sendo assim, o único cenário onde esse ativo oferece risco ao investidor é o de colapso de todo o sistema financeiro brasileiro.

Além disso, o Tesouro IPCA+ pode ser usado como uma alternativa mais rentável à Previdência Privada e outros planos de longo prazo, como a compra de imóvel ou reserva de capital.

Desvantagens do Tesouro IPCA

Existem também alguns pontos negativos relacionados às características do Tesouro IPCA.

O principal ponto a ser destacado é que, para objetivos de curto prazo, essa não é uma opção de investimento aconselhável, já que tende a dar prejuízos em caso de retirada antecipada.

Ademais, para alguns investidores com perfil mais conservador, sua rentabilidade indefinida pode ser incômoda. Isso porque a parte prefixada junto ao vencimento longo deixa o ativo suscetível ao risco de mercado.

Ou seja, supondo uma compra de um Tesouro IPCA que rende o IPCA + 5% o ano com a taxa Selic em 6%, em caso de reajuste positivo da Selic, e consequentemente do IPCA, o título do investidor acaba sendo desvalorizado.

Em contrapartida, o movimento oposto é bastante favorável ao investidor do Tesouro IPCA, já que garante um ativo com remuneração superior à do mercado.

Adicione Comentários