Tesouro IGP-M

T

O que é Tesouro IGP-M?

O Tesouro IGP-M é um título de dívida pública que foi oferecido aos investidores pelo Tesouro Nacional no período entre 2002 e 2006.

Depois disso, o Tesouro IGP-M atrelado ao Índice Geral de Preços de Mercado (IGP-M) deixou de ser apresentado aos investidores.

Também conhecido como NTN-C (Nota do Tesouro Nacional Série C), o Tesouro IGP-M era bastante popular no mercado por ser indexado ao Índice de Correção dos Aluguéis, o IGP-M.

Isso ocorria, pois o IGP-M tinha um bom histórico, oferecendo correções acima da inflação oficial, o IPCA (Índice de Preço ao Consumidor Amplo). Por conta disso, aqueles que possuem títulos NTN-C se beneficiaram com retornos superiores aos oferecidos em títulos semelhantes no mercado.

No entanto, o IGP-M também possui uma volatilidade histórica maior do que a do seu par inflacionário, o IPCA. E por conta disso, o Tesouro Nacional optou por trocar o indexador pós-fixado para o IPCA de maneira oficial.

Mas antes de conhecer mais o Tesouro IGP-M e suas características, é importante saber mais detalhes sobre o IGP-M.

O que é IGP-M?

Como dito anteriormente, IGP-M é a sigla para Índice Geral de Preços de Mercado, também conhecida como “inflação do aluguel”. O motivo para isso é que a maior parte dos contratos de aluguéis utilizam esse índice para a correção financeira.

Para o cálculo de suas variações, o agente responsável é a FGV (Fundação Getúlio Vargas), enquanto para o IPCA essa operação é feita pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

É válido destacar que existem algumas diferenças entre esses dois índices. Enquanto o IPCA verifica, registra e demonstra a oscilação de um conjunto de produtos e serviços consumidos no Brasil, o IGP-M tem foco na variação de preços de atividades produtivas na economia.

É comum que o IGP-M seja utilizado para a correção de contratos de aluguel, de planos e seguros de saúde (em contratos antigos) e reajustes de tarifas públicas.

Como funciona o Tesouro IGP-M?

O índice IGP-M, utilizado no Tesouro IGP-M, foi criado no final dos anos 1940 com o objetivo de mensurar a oscilação dos preços de forma geral. Por conta disso, ele tem como característica ser mais abrangente do que outros índices do mercado.

O cálculo do IGP-M é baseado em diversos indicadores, como:

  • IPA-M: Índice de Preços do Atacado;
  • IPC-M: Índice de Preços do Consumidor;
  • INCC-M: Índice Nacional de Custo da Construção.

Sendo assim, é possível perceber que o IGP-M acaba funcionando como um indicador macroeconômico. Ou seja, é capaz de demonstrar ao mesmo tempo o situação atual da economia no país e a inflação.

Outra função deste indicador é ser um indexador de contratos de aluguel, tarifas públicas e seguros.

Com isso, ele acaba estando ligado à diversas atividades econômicas que interferem no dia a dia do consumidor, como:

  • Educação: mensalidades de escolas, cursos e universidades;
  • Energia: tarifas da conta de energia elétrica;
  • Seguros: algumas modalidades;
  • Saúde: usado por alguns planos de saúde;
  • Imóveis: aluguéis de imóveis comerciais e residenciais.

Além disso, como já foi dito, esse indicador também está associado à investimentos, como o próprio Tesouro IGP-M.

Como é calculado o IGP-M?

Usado pelo Tesouro IGP-M, o Índice Geral de Preços de Mercado é calculado considerando os seguintes índices e proporções:

IPA (Índice de Preços por Atacado): 60%;

IPC (Índice de Preços ao Consumidor): 30%;

INCC (Índice Nacional do Custo de Construção): 10%.

O primeiro deles observa as variações de preço no atacado, antecipando as oscilações inflacionárias no ambiente varejista. O segundo, o IPC, é calculado com base em alterações de preço de produtos que impactam o poder de compra dos consumidores, como vestuário, transporte, habitação etc.

Por último, o INCC serve para observar a variação dos preços dos insumos ligados à construção civil, levando em conta produtos dependentes de commodities, como o alumínio, celulose e ferro.

Qual a Rentabilidade do Tesouro IGP-M?

Muitos investidores se questionam sobre a rentabilidade do Tesouro IGP-M, ou seja, seu percentual de remuneração oferecido aos investidores no período em que estava disponível.

Nesse ponto, é importante destacar que essa opção de investimento era um título pré-pós-fixado do Tesouro Nacional, que pode ter suas modalidades de remuneração.

Sendo assim, os tipos de remuneração do Tesouro IGP-M são:

NTN-C com Juros Semestrais

Nessa modalidade, os rendimentos do Tesouro IGP-M são distribuídos semestralmente aos detentores do título.

Isso possibilita aos investidores o reinvestimento em outros títulos e ativos, e também o uso do dinheiro como um complemento de renda.

NTN-C Principal

Sendo a modalidade tradicional, reinveste os juros no próprio título, ao invés de distribuí-los aos seus detentores.

Nesse caso, ocorre a ação dos juros sobre juros, que faz com que a rentabilidade se torne maior ao final do prazo de validade do ativo.

Qual a diferença entre Tesouro IGP-M e Tesouro IPCA?

O IPCA representa a inflação do Brasil, medida pelo IBGE. Essa taxa oscila menos que o IGP-M e indica de forma oficial o quanto o dinheiro está deixando de valer ou se valorizando. Já o IGP-M é uma taxa medida pela Fundação Getúlio Vargas, que se aproxima mais do mercado por medir todas as rendas, e tende a oscilar mais por essa característica.

Nesse sentido, os títulos do Tesouro IPCA possuem sua rentabilidade calculada com base na inflação do período, acrescida de uma taxa de juros determinada no momento da compra. Sendo assim, quanto maior for esse índice, melhor o resultado para o investidor que opta pela aplicação no Tesouro IPCA.

Enquanto isso, o Tesouro IGP-M também depende do cálculo do seu indicador e dos juros definidos no ato de aquisição, mas acumula uma maior valorização. Nas duas opções, os ganhos com o investimento só são descobertos após o seu prazo de vencimento, já que existem oscilações.

É possível comprar o Tesouro IGP-M?

Por conta de suas características, que incluem uma maior rentabilidade final aos seus investidores, o Tesouro IGP-M se torna uma opção bastante atrativa. Mas infelizmente, esses títulos não são mais disponibilizados pelo Tesouro Nacional, através do Tesouro Direto.

Contudo, existem corretoras que podem realizar a intermediação das negociações desse título pelo mercado secundário. Nesse caso, o volume de títulos atrelados ao IGP-M é bastante pequeno, limitando essa alternativa a poucos investidores.

De acordo com o Tesouro Nacional, o Tesouro IGP-M (NTN-C) foi descontinuado com o objetivo de reduzir o risco de refinanciamento do governo.

Outros investimentos ligados ao IGP-M

Apesar da NTN-C ter sido descontinuada pelo Tesouro Nacional, existem outros ativos de renda fixa ainda ativos que têm o IGP-M como indexador. Apesar de não serem semelhantes ao Tesouro IGP-M, essas são opções  para investidores conservadores e também moderados que desejam criar uma reserva de longo prazo.

Letra de Crédito Imobiliário (LCI)

A LCI representa os títulos de renda fixa emitidos por bancos e corretoras com o objetivo de reforçar o financiamento do setor imobiliário. Por conta disso, ao investir em LCI, você empresta seu dinheiro para que as instituições utilizem-o em atividades desse setor.

E como retribuição, é oferecido o acréscimo de juros até um período acordado no momento de aquisição.

Dentre as possibilidades de rentabilidade do LCI, temos:

  • LCI pré-fixada: permite ao investidor saber quanto irá receber ao final do prazo de vencimento;
  • LCI pós-fixada: atrela os rendimentos a um indexador financeiro;
  • LCI híbrida: une uma taxa pré-estabelecida a um indexador.

Apesar de, em geral, o IPCA e o CDI serem utilizados como indexadores na LCI, existem corretoras que utilizam o IGP-M vinculado aos rendimentos desse ativo.

É importante destacar que, além de ser isento de Imposto de Renda, esse título possui cobertura do FGC (Fundo Garantidor de Crédito), que protege até R$250 mil por instituição, CPF ou CNPJ.

Letra de Crédito do Agronegócio

A LCA é uma aplicação semelhante à LCI, com a diferença de ser ligada ao setor do agronegócio. Nesse sentido, os investimentos em LCA servem para financiar atividades e investimentos neste setor do mercado.

Em geral, a LCA pode ser pré-fixada, pós-fixada ou híbrida, com juros somados a um índice financeiro como o IPCA ou o IGP-M. É importante destacar que, para os dois títulos, o valor mínimo para investir costuma ser alto, variando entre R$5 mil e R$30 mil.

Por isso, essa opção de ativo acaba sendo menos acessível para a maioria dos brasileiros.

Vantagens do Tesouro IGP-M

Como vantagem principal do Tesouro IGP-M, é possível identificar sua boa rentabilidade, causada pela indexação ao índice IGP-M.

Além disso, essa opção foi bastante utilizada por investidores que desejavam criar uma reserva de longo prazo.

Alguns deles, inclusive, ainda detém esses títulos em suas carteiras de investimento até 2031.

Outro ponto positivo é a possibilidade de rendimento periódico através dos cupons semestrais, que proporcionam uma renda extra aos investidores.

Desvantagens do Tesouro IGP-M

A principal desvantagem do Tesouro IGP-M atualmente é a ausência de negociação desse título no mercado de investimentos. Mesmo que, quando negociado, ele representasse 14% do estoque investido nos títulos públicos, esse ativo acabou deixando de ser oferecido pelo Tesouro.

No momento em que esse título foi emitido, o Brasil possuía uma taxa de juros bem mais elevada que a atual. E esse fator resultava em um retorno mais alto para investimentos em renda fixa.

No entanto, está limitado apenas a quem aproveitou para adquirir o Tesouro IGP-M entre 2002 e 2006.

Foi possível saber mais sobre o Tesouro IGP-M? Deixe suas dúvidas nos comentários.

Adicione Comentários