Subscrição

S

O que é subscrição?

A subscrição de ações refere-se à emissão de novas ações, ou seja, é o processo de aumentar o capital social de uma organização.

Por isso, através da subscrição a empresa irá conseguir obter recursos para efetuar investimentos e, assim, crescer.

A subscrição de ações permite que as estas sejam comercializadas por um valor menor em relação ao praticado pelo mercado. Isso porque são os acionistas que integram a empresa têm preferência para comprá-las

Dessa forma, quando uma empresa decide realizar a subscrição de ações, ela define o prazo e preço para que os investidores apresentem interesse na aquisição. Assim, caso as condições não sejam cumpridas, perderão o direito à subscrição.

Além disso, é válido compreender que o direito de subscrição de ações é garantido aos acionistas para que estes não percam o percentual de participação na companhia.

Isto é, os acionistas não são obrigados a adquirir as ações. Porém, por serem ofertadas com preço abaixo das cotações de mercado, elas podem ser mais atrativas para os acionistas.

Porque uma empresa faz subscrição de ações?

De início, é válido entender que as subscrições de ações são aumentos de capitais exercidos pela empresa, podendo ser considerado uma forma de provento.

Por isso, quando uma empresa faz subscrição, entende-se que ela está precisando de capital.

Vale lembrar, no entanto, que isso não significa – necessariamente – que a empresa esteja passando por um período difícil, mas sim que ela está captando recursos para investir no seu desenvolvimento.

Como a subscrição funciona?

Primeiramente, destaca-se que é a organização quem define as condições e requisitos para a subscrição. Assim, o volume de ações que serão disponibilizadas para venda e o valor delas é estipulado pela empresa.

Entretanto, como já foi ressaltado anteriormente, os acionistas não têm a obrigação de adquirir novos papéis.

Para facilitar a compreensão de como a subscrição funciona, é possível observar o seguinte exemplo.

Imagine que uma determinada empresa possui o capital social no valor de R$ 700 mil, e o seu objetivo é aumentar este valor para R$840 mil; ou seja, a empresa quer aumentar seu capital social em 20%.

Dessa maneira, quando ocorre a subscrição de ações, cada acionista tem o direito de subscrever 20% da quantidade de ações que já possui.

Assim, todos os acionistas manteriam a mesma participação no negócio, contanto que comprassem as ações.

Caso ocorra de sobrarem ações, a empresa comercializa esse excedente no mercado, buscando arrecadar o valor inicial que foi definido para aumentar o capital social.

Essas ações são conhecidas como sobras de subscrição, visto que são novamente oferecidas pela empresa ao mercado.

Vale citar que a subscrição de ações oferece prioridade aos acionistas, informando um prazo de vencimento previamente estipulado pela instituição. Assim, durante o período de prazo aberto, o acionista pode manifestar seu desejo pelas ações.

Esse direito de subscrição existe com o intuito de proteger o acionista, evitando que sua participação seja diluída em função do processo.

Por exemplo, caso uma companhia deseje aumentar o capital social da empresa em R$20 milhões, os acionistas que já integram a empresa teriam uma participação menor, dado que o capital iria aumentar e seria diluído em novos investidores.

Por isso, para evitar um cenário em que os antigos acionistas percam parte da participação por causa da subscrição, ele pode aproveitar o direito de subscrição para aumentar sua participação na empresa na mesma proporção que o capital da organização sobe.

Como exercer o direito de subscrição?

Quando uma empresa define que vai colocar novas ações em subscrição, é enviado um e-mail pela corretora informando as condições da compra.

Por isso, para que o investidor tire proveito desse direito de subscrição, é válido ficar atento a algumas informações que são encontradas no site da B3 sobre a subscrição em questão. São elas:

  • Negócios até: refere-se a data de compra limite para que seja possível receber diretos a subscrição;
  • Deliberado em: é a data no qual a empresa decidiu realizar a emissão de novas ações referente a subscrição;
  • Porcentagem: associada a parcela que o acionista terá direito de subscrever, mediante sua posição atual;
  • Valor de emissão: é o preço que foi predeterminado pela empresa para que seja efetuada a aquisição das novas ações;
  • Subscrição até: refere-se a ao limite definido para que os acionistas possam exercer o direito de subscrição;
  • Data de negociação: referente ao prazo limite para que possam ser realizadas negociações com terceiro, caso o acionista tenha o objetivo de comercializar seu direito.

Dessa maneira, para que o acionista possa exercer seu direito de subscrição, será necessário contatar a corretora de valores e manifestar seu desejo de subscrever suas ações.

Além disso, será necessário possuir um capital financeiro disponível na conta para que este seja disponibilizado para a compra dos novos papéis.

Assim, a comprovação de subscrição poderá ser identificada no home broker da corretora do acionista, através dos códigos de negociação.

Além disso, para o acionista que possui o direito e realiza a aquisição de novas ações durante o período de subscrição, recomenda-se verificar se os também terão direito a distribuição dos últimos proventos.

Isso porque, caso as novas ações não tenham este direito, deverão ser negociados de maneira diferente até que os proventos possam ser distribuídos.

Vale a pena participar de uma subscrição?

Antes de tudo, é fundamental ressaltar que não existe uma afirmativa exata quanto a essa questão, dado que é possível variar devido às condições de cada empresa e segmento.

Entretanto, a subscrição de ações, geralmente, é interessante para o investidor. Isso porque as ações são comercializadas com desconto.

Além disso, os investidores poderão aumentar seu capital por meio de um pagamento menor do que o oferecido no mercado, o que pode ser financeiramente mais vantajoso.

Portanto, a subscrição de ações possibilita que o acionista aumente o retorno financeiro de suas aplicações. Isto é, quanto mais ações o acionista possuir, maior será sua participação nos lucros da organização.

Porém, é fundamental que o acionista consiga identificar quando a subscrição de ações pode ser considerada um mau negócio e quando a companhia não tem perspectivas de crescimento; evitando um investimento maior ainda em um negócio com poucas possibilidades de retorno.

Adicione Comentários